Archive for the ‘Ecologia’ Category

Estupro à luz do dia.

Nota do editor: Este artigo não representa posição editorial de ((o))eco com relação à atual disputa eleitoral. As opiniões aqui expressadas são de responsabilidade do autor.

Ao se aproximar, enfim e felizmente, o apagar das luzes de um dos des-governos mais inimigos da conservação da Natureza que este país já viu, muito embora o coro de pelegos e chapas-branca do ambientalismo tente de tudo para escamotear este fato, seria de se esperar que ao menos arrefecesse a fúria estatal de destruição da biodiversidade brasileira, alimentada pela ignorância recalcada de nosso Einstein de Garanhuns contra as pererecas e bagres, reiterada em discurso criminoso e incitador à desobediência da legislação ambiental há poucos dias em Porto Alegre que, alguém lhe soprou no ouvido, “atrapáiam o pogreço”. Mas não – o que se vê, a temperar de maneira inequívoca a campanha eleitoral em que o Pai dos Pobres abusa da máquina pública para tentar fazer sua sucessora, é a perda definitiva de qualquer vergonha em acabar com os limites para a depredação, a mineração, o estupro do que resta de nosso patrimônio natural, na forma de agradinhos ao que há de mais retrógrado no empresariado nacional, certamente à espera de óbolos e apoios para a campanha presidencial de PT et caterva para o vindouro outubro. Continuar a ler

Anúncios

O veganismo e o contato com a natureza

Claudia Lulkin, eco-nutricionista vegana, ativista pelos direitos animais, multicultural, mediadora social, adora o cheiro de mata, tomar banho de rio mas está em Porto Alegre no momento. Tem 54 anos, mora num sítio urbano, participou da Cooperativa Coolméia nos anos 80, teve um filho em parto de cócoras, como as índias, fez parte de movimento estudantil, foi hippie, trabalhou com dança, assessorou governos em projetos em nutrição, adora fotografia, e ainda pensa em voltar para o mato… Assim que for o momento.

ANDA – Claudia, em meio a tantas frentes em que milita, por que o veganismo?


Claudia Lulkin –
O veganismo é um jeito de viver que promove a vida dos animais, cuida deles, os ouve, os entende, não os “usa”. No último ato da Vanguarda Abolicionista se dizia: “animais não são produto”… São vidas pertencentes ao mesmo Planeta onde vivo. E, claro, não se alimenta deles. Pratico uma vida eco-veg, o melhor que posso dentro de uma cidade.
ANDA – Costuma dizer que seu único dogma é a libertação animal. Como transitar entre esses diferentes públicos, muitos dos quais não abrem mão da exploração dos animais?


Claudia Lulkin –
É um jogo diário. Todo dia há um momento de “explicações”. Ou de um lanchinho “óbvio”: passas, castanhas… frutas… ou de alguma brincadeira quando alguém fala de comer algum bichinho eu falo… coitadinho… A energia passa a rolar por si só…as pessoas começam a trazer frutas nas reuniões, inventam coisas, barras de cereais… a coisa vai pegando….
ANDA – Em pleno Fórum Social Mundial, neste ano, você coordenou a cozinha ECOmunitária da Aldeia da Paz, servindo refeições veganas para cerca de 350 pessoas. Como isso se deu?
Claudia Lulkin – Foi muito na sincronia… Fui a uma reunião do Acampamento da Juventude, apresentada como nutricionista vegana, havia uma pessoa da Aldeia, me falou que ainda não havia quem focalizasse a cozinha e que esta seria vegana. Topei na hora. Nem tinha muita idéia de nada. Mudou minha vida! A prática da ALDEIA DA PAZ, que acontece quando pessoas se encontram para criá-la, possivelmente poucas são as que já se encontraram algum dia, é uma prática sustentável, auto-construída. Fomos construindo tudo: a Cozinha, a estrutura de limpeza da água de lavagem dos alimentos e de louça, fizemos banheiros secos, chuveiros lindos, tenda de suor, tenda da cura, geodésica onde se conheceu o calendário maia, criamos o espaço da Fogueira e abrigamos o Fogo Sagrado que fica aceso ao longo de todo o Fórum Social Mundial, cortamos lenha, buscamos…e com mínimo impacto ambiental. No final ainda plantamos nas beiradas do lago à volta da área onde estávamos com mudas nativas. Conheci muitas medicinas, gentes biodiversas, culturas de Paz. E pudemos viver por 15 dias juntos nos alimentando do  mundo vegetal. Uma sensação de total liberdade e PAZ. As fotos de alguns dos belos momentos saíram em matéria na ANDA.
ANDA – Porto Alegre é a Capital de um Estado com tradição de carne e exploração dos animais, mas paradoxalmente possui inúmeros locais vegetarianos e veganos, duas telepizzas, bares e afins, além da forte presença dos grupos ativistas. Como vê isso?
Claudia Lulkin – Porto Alegre é um lugar onde as novas idéias tomam corpo e se expandem. O naturalismo, o vegetarianismo, o movimento forte por uma agricultura orgânica tem base em POA há uns bons 35 anos ou mais. A politização e a busca de consciência sempre permearam a cultura local. Por vias “políticas” tradicionais, por vias “espirituais”, por vias das “medicinas alternativas”, das terapias não convencionais, os movimentos sociais, a expansão e experimentação de novas formas de produção de alimentos- a permacultura, a agrofloresta…. Aqui nasceu a feira ecológica, há 21 anos, base da agricultura orgânica, onde nunca foi liberado vender-se alimentos cárneos. Mesmo quando ainda não se tinha toda a clareza da situação animal.  Isso cria as condições para que vá se compreendendo as questões do momento e vá se gerando soluções.
ANDA – Segurança e soberania alimentar, de que se trata?


Claudia Lulkin –
Segurança alimentar é o direito que todo ser humano (é uma visão especista) tem de se alimentar com qualidade todos os dias e ter condições dignas de vida. A Soberania Alimentar se amplia para o território, para um País. Que este possa ter sempre garantido o alimento de qualidade para seu povo. Recém neste ano o Direito Humano à Alimentação Adequada entrou na Constituição brasileira!!!! E o Brasil, apesar de sua riqueza natural não é um país SOBERANO EM SUA ALIMENTAÇÃO, é dependente das regras de mercado impostas pelas organizações internacionais como a OMC, o FMI, a FAO, é subserviente das empresas multinacionais que comandam a cena e, alguns, se dão bem financeiramente, com essa visão dilapidadora da natureza brasileira, das suas terras ricas, das suas águas, da sua quantidade de SOL que o Brasil tem (uma riqueza inigualável). É nesse jogo que a Amazônia é queimada impunemente, que os animais são chamados de “PECUÁRIA”, que as terras são ocupadas com soja e grãos para alimentação “do gado para abate”… e que a fome continua a grassar em pleno BERÇO ESPLENDIdo. Além da cotidiana falta de nutrientes pois a alimentação está envenenada de agroquímicos, as águas poluídas, os solos sem vida…  As palavras escondem seus verdadeiros sentidos fazendo perder o sentido da comunhão com a natureza.
ANDA – Paisagismo alimentar é uma de suas propostas. Como funciona, na prática?
Claudia Lulkin – Bom, ainda é uma idéia mas ela vai tomando corpo. É simples… é plantar em TODOS os lugares, em todos os pátios, em vazios urbanos, em pátios de hospitais, de prédios, de clubes, de escolas, colocar plantas em todos os muros, em todas as paredes, em todos os becos. Colocar árvores frutíferas, trepadeiras de flores, plantas medicinais, aromáticas, condimentares. Poderá alimentar pessoas,  pássaros, minhocas, borboletas. Vai colorir, oxigenar, hidratar e curar, e dar uma sentido do único verdadeiro tempo que é o ciclo da Vida na Natureza. E isso CURA. A PETA está falando em resgatar “the wildlife” fazendo jardins em todos os lugares. E mostra uma foto de um esquilo…Lindo! No meu pátio vem beija-flores, bem na porta de casa por conta das inúmeras flores  “lanterninha japonesa” que está bem crescida e florida nesta época (outono).
ANDA – Há décadas você lida com o lixo de forma pensada, inclusiva na arte-reciclagem. Como isso começou?
Claudia Lulkin – Tive um namorado muito vanguardeiro que me falou do LIXO pela primeira vez. Aquilo mexeu comigo. Passei a pensar sobre o consumismo… descobrir a riqueza do que se chama lixo e ficar incomodada de não poder separar os resíduos e utilizar o orgânico. Nos anos 80 a Cooperativa Coolméia alugou uma casa no bairro Bom Fim, na João Teles, pertinho do Bar Ocidente. Lá começamos a levar nosso “orgânico” e criamos um bordão “LIXO É LUXO”, que depois se popularizou. Esse movimento impulsionou ações governamentais de separação de lixo. E fui encontrando a arte-reciclagem na moda- a customização, os antigos brechós (que eram poucos), os recortes, as colagens, a pegar embalagens lindas pelas ruas e, em 2003, montar a exposição “Espelhos de Camarim”, em Brasília, um trabalho todo em arte-reciclagem de móveis, madeiras encontradas em lixo, posters, latas…, do artista plástico Rasiko, que está vivendo em Lisboa, atualmente. Para fechar o ciclo, fui assessora da Cozinha Comunitária da UTC – Unidade de Triagem e Compostagem na Lomba do Pinheiro em POA, onde hoje há uma bela horta. Minha “pós-graduação”!!!!
ANDA – Você se sente marginalizada por suas posturas?
Claudia Lulkin – Sim, ainda sou marginalizada, apesar de já receber mais avais….
ANDA – A desobediência civil parece ser o ponto de partida para muitas mudanças necessárias no sistema. Concorda?


Claudia Lulkin –
Acho que a sociedade é a cara e a cabeça das pessoas. A sociedade impõe modelos, cultua o apego ao passado, tem uma dinâmica que não me faz bem, usa de uma medicina em que não acredito, não acolhe as pessoas nem os animais, trata as crianças como imbecis, pratica “tradições” cruéis, estabelece o medo, dá prioridade à economia e não a outros valores que a mim interessam… Na medida em que discordo dessas práticas e quero fazer as coisas do jeito que me fazem bem sem prejudicar ninguém e ser solidária com uma nova possibilidade de encantamento coletivo baseado na natureza, desobedeço o estabelecido como padrão.  A desobediência civil é um libelo, um posicionamento por direitos.

ANDA – Socialmente, como fazer a população mais simples compreender e usufruir do vegetarianismo/veganismo?
foto de claudia lulkinClaudia Lulkin – Mostrando, estando junto, fazendo… sou muito Paulo Freire nessa hora. O povo é muito prático. Se come bem, gosta, se sente bem, vê que o intestino funciona, entende os argumentos pelos animais, pode aderir. Ou, pelo menos, integrar ao cardápio cotidiano. Não é com a prescrição da nutricionista do posto ou com flyers governamentais que ele assume uma mudança. É só com olho no olho e mão na panela, na terra… Depois que assume o que conhece…. incrível, só dá ótimos “feed backs”.E isso é ativismo, também.
ANDA – Quem a conhece pessoalmente sabe que você é uma jovem de 53 anos, com pique invejável. Qual o segredo?


Claudia Lulkin –
Quase 54… Segredo? Prazer de viver sendo desobediente, sendo ativista…. sendo ambientalista, vendo as flores nascerem, os verdes crescerem, brincando com o Pedro, meu neto, ouvindo seus papos, suas músicas, teatrando a vida com ele. Tendo uma família veg, uma alimentação saudável e MUITOS AMIGOS-IRMÃOS, de todas as idades, de todos os credos, de todas as cores.

ANDA
Entrevista de Marcio de Almeida Bueno  – VAL

DIA MUNDIAL da ÁGUA

Com o tema “Água Limpa para um Mundo Saudável”, a Agência Nacional de Águas (ANA) lança o hotsite Águas de Março 2010. Em sua quarta edição, o portal divulga o calendário das atividades em todo o Brasil dedicadas ao Dia Mundial da Água, celebrado todos os anos no dia 22 de março. Além da agenda de eventos, o site reúne informações sobre recursos hídricos relacionadas ao tema anual definido pela Organização das Nações Unidas (ONU).


Este ano, as Nações Unidas dedicam o dia Mundial da Água à qualidade da água, com o objetivo de mostrar que na gestão dos recursos hídricos qualidade é tão importante quanto quantidade. Em todo o mundo, o mês de março é dedicado a atividades, celebrações e reflexões sobre o uso sustentável e consciente da água.


Histórico
Em 22 de dezembro de 1992, a Assembléia Geral da ONU declarou que no dia 22 de março de cada ano, a partir de 1993, seria celebrado o Dia Mundial da Água. Essa decisão baseou-se nas recomendações contidas no capítulo 18 da Agenda 21 que define como objetivo geral assegurar a manutenção da oferta adequada de água de boa qualidade para toda a população do planeta e a preservação das funções hidrológicas, biológicas e químicas dos ecossistemas.
Com a instituição do Dia Mundial da Água, os países foram convidados a aderir às recomendações da ONU relativas aos recursos hídricos e a concretizar atividades apropriadas ao contexto de cada país.


Dia Nacional da Água
No Brasil, a adesão partiu do Congresso Nacional. A Lei nº 10.670, de 14 de maio de 2003, instituiu o Dia Nacional da Água, que também passou a ser comemorado no dia 22 de março de cada ano.


Fonte


Água limpa para um mundo saudável, por José Alberto Wenzel*

O Dia Mundial da Água, 22 de março, instituído pela ONU em 1993, tem como tema este ano “Água limpa para um mundo saudável”, em meio ao descuido com a natureza e aos resultados desastrosos que acompanham o dia a dia da humanidade. O objetivo é mostrar que, na gestão dos recursos hídricos, qualidade é tão importante quanto quantidade. Várias questões preocupam os gaúchos. No Rio Grande do Sul, 98% dos 325 municípios conveniados com a Corsan possuem água potável. Estudo indica que cada gaúcho consome 200 litros de água por dia. Nas demais cidades, do total de 496, o sistema geralmente é gerido pelo próprio município. A perspectiva do governo do Estado, em médio prazo, é de que todas as cidades operadas pela Corsan recebam água tratada.

A estiagem, que se reflete na produção agrícola, é minimizada com a construção de cisternas e microaçudes pelo governo gaúcho. Até o fim do ano, serão finalizados 3 mil microaçudes de até cinco hectares cada um, que se juntarão aos mais de 1,4 mil já prontos, em um total de 20 mil hectares de água. Em cada sete anos dos últimos 35, no RS, há estiagens, restando apenas três anos normais em termos de precipitações.

Em nível nacional, o Atlas de Abastecimento Urbano de Água no país, lançado em 2009 pela Agência Nacional de Águas, aponta as condições dos mananciais e dos sistemas de produção de água em 2.965 municípios. Dado revela que 1.896, ou seja, 64%, necessitam de investimentos prioritários que totalizam R$ 18,2 bilhões. As verbas evitarão o colapso no fornecimento. Concluídos até 2015, podem garantir o abastecimento até 2025.

A região metropolitana de Porto Alegre necessita de aplicações de R$ 266 milhões em abastecimento de água. Municípios com mais de 250 mil habitantes requerem aportes de R$ 48 milhões. No RS, foram pesquisadas 34 cidades, sendo que 31 estão na Região Metropolitana e três apresentam população superior a 250 mil. O Atlas incluiu o Nordeste, regiões metropolitanas e Sul. O trabalho será expandido neste ano e atingirá os demais municípios gaúchos e brasileiros.

Previsões da ONU indicam que em 2050 mais de 45% da população mundial não poderá contar com a porção mínima individual de água para necessidades básicas. O Brasil tem provavelmente as maiores reservas de água do mundo. Portanto, para evitar situações insustentáveis é necessário gerenciamento, armazenagem, tratamento e distribuição das águas. Evitar a poluição deve ser uma prioridade.

Eco-Casamento…Ecologicamente correcto!

Será que as noivas, ao planearem seus casamentos, tinham ideia ou já pensaram sobre os impactos ambientais que o seu evento e suas escolhas podem causar no meio-ambiente ou nas gerações futuras?
Porque não pensar e considerar opções que possam antes tudo, ajudar o meio-ambiente e fazer a diferença?
Não são ideias diferentes, projectos inovadores e casamentos personalizados que toda noiva procura? Um “casamento verde” pode ser a alternativa para reunir todos estes desejos…

Para preparar um casamento ecologicamente correto, saiba que todos os elementos devem estar em harmonia.

Pouco adianta usar papéis recicláveis e receber os convidados em um espaço que prejudique o meio ambiente. O ideal seria optar por um local com muito verde. Árvores naturais, relvados bem verdes, um jardim botânico ou até mesmo uma bela praia. O local por si só deve remeter os convidados ao perfil “natural” dos noivos.

Misture gostos, sabores e encante os presentes com delícias orgânicas. O catering não precisa ser, necessariamente, vegetariano. Um menu interessante pode conter carne de soja, açúcar orgânico, casca de banana-verde e outros ingredientes alternativos.O cardápio poderá conter uma grande variedade de receitas tornando o casamento uma satisfatória degustação de novos sabores. Apesar de ter um custo mais elevado do que um bufete convencional, os orgânicos agregam valores sócio-ambientais ao evento.

À luz do dia

Nada mais belo do que aproveitar os raios solares naturais na hora de comemorar. Casamentos à luz natural reduzem custos e gastos com electricidade. Dependendo da época do ano, a cerimónia pode ser feita ao ar livre. Evite imprevistos e contrate uma empresa de coberturas, de preferência aquelas que utilizam o plástico transparente, para não esconder a beleza do local. Na decoração da festa, a iluminação por velas cria um ambiente romântico, acolhedor e de energia mais limpa. Vela à base de soja é ecologicamente correcta e dura mais tempo do que a convencional.

Convites e cartões

Esta pode ser considerada uma das partes mais importante de um eco-evento. Opte por papéis recicláveis ou materiais alternativos que não prejudiquem o ambiente. Actualmente, eles são acessíveis e tão bonitos quanto os não-recicláveis. Uma alternativa prática e viável são os convites virtuais e os sites de casamentos, os quais providenciam a entrega de todas as informações extras aos convidados.

O vestido de Noiva

A noiva, estrela principal da festa, pode escolher um vestido de algodão orgânico ou seda. É muito importante prestar atenção nos tecidos e certificar-se de que não possuem materiais sintéticos ou tingimentos químicos. Se não pretende guardar o vestido após o casamento pode-se vender, leiloar ou doar o valor para uma instituição de caridade. Outra escolha bastante comum entre as noivas ecologicamente correctas é o uso de um vestido vintage.

Lembranças

Que tal oferecer plantas ou algo que floresça como tulipas, sementes de flores, ervas aromáticas ou mini árvores como lembrança da comemoração? Há também a opção dos kits de chá e café orgânico, acompanhados de biscoitos de canela feitos em uma padaria local, e personalizados com o nome dos noivos em papel reciclado. Pequenos frascos de compotas e mel biológico são lembranças originais

Itens para tornar o seu casamento, num evento  Eco Chic

Convites, saquinhos para kits dos convidados e qualquer outro item feito de papel, tem sempre a opção de utilizar papel reciclado. Pesquisando, encontrará opções com bons preços e lindos modelos.

– Usar recipientes reciclados ou peças de artesãos regionais. ainda pode adaptar as peças como vasos, com um lindo bouquet de flores.

– Outra alternativa é usar flores em recipientes feitos de argila. Além de utilizar os vasos para compor arranjos florais na decoração do ambiente, eles podem ser usados como lembranças para os convidados.

– Se for utilizar produtos descartáveis, certifique-se de usar produtos Bio-degradáveis que irão se decompor com facilidade.
Pense no uso destes produtos feitos de bambu. Além de um lindo design são amigos do meio-ambiente.

– Você pode presentear os convidados com uma planta ou sementes que eles possam cultivar em casa.

– Pequena bolsa para dar de presente ás madrinhas, feitas de couro sintético

via Coisas da Terra » Blog Archive

Ética antropocêntrica: uma guerra contra ATWA

O ser humano cercou-se com uma ética antropocêntrica – ou seja, tudo girando em torno de seus próprios direitos e deveres. Essa idéia separou o homem do reino da vida do qual ele naturalmente pertence, e resultou em uma declaração de guerra do homem contra ATWA. A humanidade adotou uma filosofia em que se coloca como o centro do universo, uma condição na qual a ética resultante segue os seguintes princípios: Continuar a ler

“Avatar” e Mensagens Subliminares

Blog A Nova Ordem Mundial

Alex Jones fez ontem uma avaliação do filme Avatar, o último filme de James Cameron, no qual os humanos, no ano 2154, após terem destruído quase toda a natureza do planeta terra, partem para o planeta (na realidade uma lua) chamado pandora, no qual os seres nativos seguem uma religião de adoração da natureza nos moldes da “religião” de Gaia.
O filme em 3D é realmente um show de efeitos especiais, com um visual alucinante. Um filme com uma forte mensagem propagandista, que mostra a adoração da natureza e o ambientalismo, a religião de adoração do planeta que os seres nativos seguem, juntamente com a mensagem da ameaça destrutiva que os seres humanos representam.

Por outro lado, o filme tem uma mensagem anti-imperialista e anti-militar, que vejo com bons olhos. Veja abaixo a avaliação de Alex Jones do filme Avatar.

20 de Março – Dia Mundial Sem Carne

O Dia Mundial sem Carne é um evento internacional, promovido pela FARM (Farm Animal Reform Movement), e seu objetivo é mostrar para a população em geral que é possível viver de forma saudável e prazerosa sem fazer uso de alimentos de origem animal. E que esta opção oferece inúmeras vantagens, tanto para o indivíduo quanto para o planeta.
Farm

Continuar a ler