Archive for the ‘sustentabilidade’ Category

Estupro à luz do dia.

Nota do editor: Este artigo não representa posição editorial de ((o))eco com relação à atual disputa eleitoral. As opiniões aqui expressadas são de responsabilidade do autor.

Ao se aproximar, enfim e felizmente, o apagar das luzes de um dos des-governos mais inimigos da conservação da Natureza que este país já viu, muito embora o coro de pelegos e chapas-branca do ambientalismo tente de tudo para escamotear este fato, seria de se esperar que ao menos arrefecesse a fúria estatal de destruição da biodiversidade brasileira, alimentada pela ignorância recalcada de nosso Einstein de Garanhuns contra as pererecas e bagres, reiterada em discurso criminoso e incitador à desobediência da legislação ambiental há poucos dias em Porto Alegre que, alguém lhe soprou no ouvido, “atrapáiam o pogreço”. Mas não – o que se vê, a temperar de maneira inequívoca a campanha eleitoral em que o Pai dos Pobres abusa da máquina pública para tentar fazer sua sucessora, é a perda definitiva de qualquer vergonha em acabar com os limites para a depredação, a mineração, o estupro do que resta de nosso patrimônio natural, na forma de agradinhos ao que há de mais retrógrado no empresariado nacional, certamente à espera de óbolos e apoios para a campanha presidencial de PT et caterva para o vindouro outubro. Continuar a ler

Anúncios

Campanha Hora do Planeta propõe apagar as luzes por uma hora para repensar impactos do consumo de energia

Logo da Campanha Hora do Planeta 2010
Apagar as lâmpadas por uma hora pode ajudar a combater o aquecimento global. É o que propõe a campanha Hora do Planeta, da organização não governamental (ONG) WWF, lançada ontem (3), na capital fluminense. A ideia é convencer as pessoas a desligarem as luzes no dia 27 de março, entre as 20h30 e 21h30.

Greenpeace lança campanha para que o Facebook use energia renovável

A ONG Greenpeace iniciou nesta segunda (22) campanha para que a rede social Facebook tenha uma política mais verde, utilizando energias renováveis. O título escolhido para campanha foi: “Queremos que o Facebook utilize energia 100% renovável”.

A razão desta movimentação é que o Facebook anunciou a construção de um centro de dados em Oregon/Estados Unidos cuja energia será suprida a partir do carvão – uma das fontes que mais contribui para o aquecimento global.

Centros da dados consomem grande quantidade de energia para armazenar os conteúdos de seus usuários. Com o crescimento das redes sociais, a tendência é o crescimento da demanda de energia. Se o Facebook continuar com sua política de energia “suja”, estará contribuindo cada vez mais com o aquecimento global.

A ONG chama os simpatizantes da causa para participarem através do LINK

Fonte: Aqui Acontece

via Planeta Vegetariano

Google pode comprar e vender energia

A partir de amanhã o Google poderá comprar e vender energia.

A autorização foi assinada na quinta-feira pela U.S. Federal Energy Regulatory Commission (FERC), agência que regula a rede elétrica nos Estados Unidos.

Além de permitir que o gigante das buscas gerencie seus próprios gastos com energia, a medida também abre caminho para que a empresa adicione a comercialização à sua rede de serviços.

O arquivo (em PDF) com a autorização deixa claro que a Google Energy, subsidiária do Google, não possui unidades geradoras ou distribuidoras de energia.

Apesar de parecer incomum, outras empresas já conseguiram autorizações similares. Em 2007, por exemplo, o Wal Mart lançou sua Texas Retail Energy, uma empresa que não só abastece as lojas naquele estado americano como também vende energia aos consumidores.

Os planos do Google, apesar de não revelados, parecem não ser voltados ao comércio de energia aos seus usuários. Há algum tempo, a empresa anuncia que seu objetivo a longo prazo é se tornar neutra nas emissões de carbono e, uma medida como essa, dá maior autonomia para se utilizar energias renováveis.

Além disso, também deve ajudar a reduzir os enormes gastos com a conta de luz que o Google tem para manter seus servidores funcionando.

Fonte: Info

via Planeta Vegetariano

Brasil: Sustentabilidade na vida e nos negócios.

Marcos Egydio faz trocadilho com a situação: Não há empresa verde que opere no vermelho

(…)

Com toda sua experiência, a sustentabilidade não permeia somente a vida profissional de Egydio, mas também a sua pessoal. Ele pratica corrida e está se preparando para participar de uma meia maratona. O consultor também se tornou vegetariano e busca consumir apenas produtos orgânicos.

Source: Sustentabilidade na vida e nos negócios

via EVANA Brasil: Sustentabilidade na vida e nos negócios pt.

Homem Árvore – Vestir consciente

Pensando na sustentabilidade do planeta e no consumo consciente, a marca Homem-Árvore utiliza tecido de fibra de bambu, resinas especiais livres de PVC, pigmento orgânico e resíduos do próprio processo, para desenvolver ativismo visual e t-shirt´s ecologicamente conscientes. Conheça uma nova forma de pensar moda. Segundo o fabricante, não há envolvimento de materiais de origem animal em nenhuma fase da produção.

Site

Fonte:  Vista-se ·

Ambientes humanos sustentáveis: Permacultura

Em poucas palavras, dizemos que Permacultura é: um sistema de planejamento para a criação de ambientes humanos sustentáveis. Seus princípios teóricos e práticos são uma síntese das práticas agrícolas e conhecimentos tradicionais e das descobertas da ciência moderna visando o desenvolvimento integrado da propriedade.

A Permacultura oferece as ferramentas para o planejamento, a implantação e a manutenção de ecossistemas cultivados no campo e nas cidades, de modo a que eles tenham a diversidade, a estabilidade e a resistência dos ecossistemas naturais. Alimento saudável, habitação e energia devem ser providos de forma sustentável para criar culturas permanentes.

Tendo como base o planejamento consciente, a Permacultura torna possível, entre outras coisas, a utilização da terra sem desperdício ou poluição, a restauração de paisagens degradadas e o consumo mínimo de energia. Quando a ação do permacultor se volta para áreas agrícolas, o resultado é a reversão de situações dramáticas de degradação sócio-ambiental.

Todo sistema permacultural deve evoluir, com designs arrojados, para a construção de sociedades economicamente viáveis, socialmente justas, culturalmente sensíveis, dotadas de agroecossistemas que sejam produtivos e conservadores de recursos naturais.

A Permacultura exige uma mudança de atitude que consiste basicamente em fazer os seres humanos viver de forma integrada ao meio ambiente, alimentando os ciclos vitais da natureza. Como ciência ambiental, reconhece os próprios limites e por isso nasceu amparada por uma ética fundadora de ações comuns para o bem do sistema Terra.

CONHEÇA: http://www.permaculturalatina.org.br/

Fonte: Rede Permear ( http://www.permear.org.br )

via Revolução da Colher.