Gripe suína x Vegetarianismo

A grande demanda por produtos fabricados com a carne de porco, em virtude do constante crescimento do consumo desses derivados, faz com que a criação desses animais aumente a cada dia. Em 1965, havia nos EUA cerca de 53 milhões de porcos espalhados entre mais de um milhão de currais. Hoje, mais de 65 milhões de porcos concentram-se em 65 mil instalações. Esse grande aumento na criação desses animais significa um amontoamento de dezenas de milhares de animais com sistemas imunológicos debilitados. Cientistas advertem sobre o perigo das granjas industriais: a contínua circulação de vírus nestes ambientes aumenta as oportunidades de aparição de novos vírus mais eficientes na transmissão entre humanos.

Há relatos de que nos EUA, há regiões onde a população de porcos chega a cinco para cada habitante. Esse dado nos mostra como estão as regiões onde há criação de porcos, com todos os restos fecais que são expostos em grandes tanques, nos quais são colocadas as fezes e jogados os porcos que morrem e demais dejetos orgânicos.

Algumas empresas de produção de derivados da carne de porco podem estar diretamente ligadas ao surto da gripe suína. Em muitas delas, os resíduos orgânicos e fecais produzidos não são tratados adequadamente, levando à contaminação da água e do vento.

Diante disso, é importante que passemos a questionar a origem e a forma de como se produz o que comemos.

Uma das principais razões que leva as pessoas a se tornarem vegetarianas é o respeito pelos animais, a fim de eliminar todos os tipos de exploração e experiências feitas com eles. A competição para produzir carnes e outros derivados dos animais faz com que os mesmos sejam tratados como objetos e mercadorias. As condições em que são criados são cada vez piores: espaços minúsculos, condições estressantes, más condições de transporte, as crias são tiradas de suas mães, etc.

Um exemplo disso são os porcos que, por serem sensíveis ao estresse, adoecem com muita facilidade quando são transportados ao matadouro ou para engorda em uma região distante. Geralmente são mantidos no escuro por aproximadamente 24 horas para se acalmarem. As mães são impedidas de cuidar de suas crias, e somente as alimentam para que engordem. Os filhotes são levados ao desmame após 3 a 4 semanas de vida, ao invés das 14 semanas naturais. Com cerca de 70 dias de vida são levados à engorda, onde são colocados em cubículos, em pavimentos de grades sem palha, provocando feridas nas suas patas. Estes animais sofrem de estresse severo devido à limitação de seus movimento e, frustrados, acabam adoecendo. Daí o excesso de antibióticos.

O vegetarianismo é uma escolha para a vida pelo bem de outras vidas

O vegetarianismo é uma escolha pelo bem de muitas vidas

As dietas vegetarianas proporcionam vantagens econômicas, além de contribuírem para erradicar a fome no mundo. Cerca de 33% dos grãos produzidos no mundo são para alimentar os animais criados para o consumo humano. Com o aumento do vegetarianismo, poderá haver muito menos pessoas subnutridas ou que morram de fome em todo o mundo.

Ao ser vegetariano, privilegia-se o respeito pelo outro e pelos animais. Ser vegetariano é, sem dúvida, uma forma mais harmoniosa e compassiva de encarar os animais e o mundo. Uma opção mais natural de vida e de estar em sintonia com natureza e consigo próprio.

http://mundoverde.com.br/blog/tag/vegetarianismo/

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: