Posts Tagged ‘Saúde’

Carne x Saúde

O texto a seguir é muito rico em informações sobre a saúde do ser humano e o consumo de carnes.
Texto extraído do livro:
“As hortaliças da medicina doméstica”.

O homem não é carnívoro como a onça, pois não dispõe como esta, de garras e presas para matar um boi só com os membros dianteiros e a boca; nem é cadaverívoro como o corvo, pois, não tendo como este, glândulas neutralizadoras dos venenos, frequentemente se intoxica comendo carne; nem é onívoro como o porco, pois tem um organismo e um instinto diferente dos do suíno.

Os irracionais que comem carne preferem-na ao natural. Não a falsificam nem a disfarçam para mudar-lhe o gosto e o cheiro.
O ser humano, porém altera e dissimula a carne com temperos, para neutralizar a repugnância que esta produziria à sua vista, ao seu olfato e ao seu sabor.
O homem engana seu verdadeiro instinto com grave prejuízo de sua saúde.

“A natureza dotou o nosso instinto nutritivo de suas zelosas sentinelas que, em seus postos avançados no organismo, têm a missão de admitir ou recusar o alimento.
Vamos ao mercado, nos dirigimos às bancas de frutas, escolhemos as que melhor nos pareçam, e com toda a segurança podemos levá-las à boca, saboreando-as com prazer. Sucederá o mesmo com os postos de carne? Com toda a certeza, não.
Nossa vista e nosso olfato recusarão a presença desses despojos e muitas vezes teremos que tapar o nariz, pois esses cadáveres denunciarão já um avançado estado de decomposição; e, se conseguimos enganar a vista e o olfato, é devido à arte culinária que se encarrega da falsificação de sua primitiva forma e estado”.
Afirma o Professor Doutor José Nigro Basciano.

A carne é tida como alimento fortificante por excelência. Será exato? Não.

Está hoje provado que a carne é menos nutritiva do que a maior parte dos alimentos tirados do reino vegetal, como sejam: as frutas secas (nozes, castanhas, amêndoas), arroz, legumes secos (feijão, favas, lentilhas).

Pode-se mesmo dizer que, de todos os alimentos usuais (com exceção da soja, das frutas frescas, dos legumes frescos e dos tubérculos farináceos, como a batata), a carne é o menos nutritivo.

Um adulto, de peso médio, querendo nutrir-se exclusivamente de carne, terá de ingerir diariamente perto de três quilos e, mesmo assim, não estará bem alimentado.

A carne é tão pouco nutritiva que, para emagrecer um obeso, basta submetê-lo ao regime cárneo o mais absoluto.

Se a carne fosse um alimento preciosissímo, insubstituível pelo seu valor nutritivo excepcional, como geralmente se pensa, a sua supressão acarretaria naturalmente diminuição de peso, com sinais acentuados de fraqueza, debilidade, anemia, etc.

Na prática é o oposto que se observa.

A observação da natureza demonstra que os alimentos que dão, conservam e desenvolvem as forças, ou seja, os verdadeiramente nutritivos são os hidratos de carbono, as hortaliças e as frutas.

Deve-se considerar como um grande erro científico, talvez o maior e mais nefasto do último século, a afirmação de que o regime cárneo constitui uma alimentação fortificante por excelência.

A carne é muito mais excitante do que nutritiva.
Quem faz uso diário da carne, em quantidade não moderada, e a suprimir bruscamente um dia, embora a substitua por alimentos mais nutritivos, experimentará nesse dia uma sensação pronunciada de fraqueza, como se não tivesse se alimentado.
O que provoca essa falsa sensação de fraqueza não é a falta de alimento e sim a supressão do excitante, que, no caso presente, é a carne.
O mesmo fenômeno se observa com outros excitantes, tais como o álcool, o fumo, a morfina, etc.
Além de excitante, a carne é tóxica.
O líquido extraído dos músculos (o suco de carne), injetando na dose de 3 a 5 c.c., por quilo, mata um animal.
Entre os venenos contidos na carne, uns são ácidos pela sua própria toxidez, outros simplesmente porque são ácidos.

Da destruição da proteína da carne, na economia, se originam produtos de toxidez mais ou menos elevada: ácido úrico e quantidade apreciável de ácido sulfúrico e ácido fosfórico, sendo esses dois últimos muito energéticos e até cáusticos se não estivessem extremamente diluídos.

Todas as carnes, mesmo que sejam perfeitamente sãs, se encontram impregnadas de substâncias nocivas, e são mais tóxicas quando provêm de animais doentes ou simplesmente fadigados.
Os venenos da carne se multiplicam rapidamente após a morte do animal.
Quando a carne não é completamente digerida no estômago e intestino delgado, a albumina apodrece no grosso intestino, resultando daí a formação de novos venenos (ácidos graxos voláteis, ptomaínas), a maior parte de grande virulência.

Do intestino, a proteína da carne passa ao sangue: uma parte mínima se fixa nos tecidos e o resto é destruído, deixando como principais resíduos os ácidos úrico, sulfúrico e fosfórico.

A gordura da carne, oxidando-se põe em liberdade igualmente ácidos diversos. Daí uma superprodução de ácidos, que, quando não são eliminados ou neutralizados pelos alimentos alcalinos (hortaliças e frutas), ficam retidas nos órgãos, dando lugar a todas as manifestações do artritismo.

Assim se opera lentamente, mesmo com a carne bem digerida, uma espécie de intoxicação crônica, de que não suspeitamos. Porquanto, os seus progressos são infinitamente lentos, e que nós só percebemos quando o mal é irremediável.
Pascault.

Experiências do Dr. Ignotowsky demonstraram que em todos os animais que não se habituaram lentamente ao regime cárneo, a carne atua como um veneno violento.
Nos coelhos, por exemplo, o efeito da carne é fulminante, mesmo quando ela é fornecida em pequena quantidade, associada à alimentação habitual.
Do segundo dia em diante, a urina que era alcalina, torna-se ácida; os pobres animais emagrecem rapidamente e morrem.

Três gramas de carne – quantidade, que parece insignificante – basta para provocar no coelho efeitos tóxicos, que se traduzem por enterite com diarréia, acabando com matá-lo em seis a sete semanas.

Pode-se, de fato, habituar o coelho à alimentação cárnea, como sucedeu com o homem através das gerações. Misturando-se à alimentação do coelho 30 a 40 centigramas de carne por dia, ele acaba por tolerá-la; os filhos já suportam uma quantidade maior.
Após algumas gerações, os coelhos sucumbem mais ao uso da carne, sendo notável, porém, a sua decadência física.
Sucede com eles o que se observa nas famílias que abusam da carne; tornam-se todos artríticos.

“Os animais carnívoros conseguem transformar em amoníaco e tornar, portanto, inofensiva a carne que eles ingerem em grande quantidade, o que não se dá com a espécie humana”.
Relata o Dr. Gustavo Armbrust.

O homem, diz o Dr. Durville, não tem o poder de transformar a carne em amoníaco; a proteína contida em excesso na carne para ser eliminada, deve ser queimada. Ora, sabemos que as proteínas são maus combustíveis. Ao passo que os hidratos de carbono se queimam integralmente, deixando como resíduos apenas água e gás carbônico. A combustão das proteínas dá lugar aos produtos ácidos extremamente nocivos ao organismo.

O homem não é, aliás, carnívoro por natureza: falta-lhe para isso não só a dentição, mas também as glândulas eliminadoras de que os carnívoros são dotados.

O Dr. Domingos D´Ambrosio diz:
Todas as carnes são substâncias cadavéricas. Portanto, constam apenas de elementos em decomposição putrefata.

Falando das carnes, incluímos nelas também os peixes, pois, igualmente, são substâncias protéicas musculares, com o pejorativo que, quando em putrefação avançada, são mais nocivas do que as carnes de animais terrestres, pela libertação do fósforo, o qual, fora das combinações orgânicas, é muito tóxico.

As carnes até quando são queimadas e utilizadas por completo pelo metabolismo, deixam escórias muito tóxicas.
Quando a combustão e a utilização são parciais, deixam uma quantidade enormemente maior de substâncias danificas.

Além de sua ação putrefativa, pelas ptomaínas e saproínas, perturbadoras deletérias do sistema nervoso, em geral, e do encéfalo em particular, com a abundante produção de ácido úrico, concorrem na provocação da fatal acidose.

Quando os elementos ácidos se abarrotam em elevada quantidade nos sistemas circulatórios, estabelecem nos líquidos circulantes um estado de hiperacidade, que vai classificando com o nome de acidose crônica.

Com a sua persistência, começa por adoentar gradualmente os órgãos de fermentações e de eliminações, que são o sistema gastroentérico, o fígado e os rins.
A acidose, pois, é a causa das alterações e das debilidades orgânicas.
Por sí só ela é a responsável pela quase totalidade das doenças.
Uma vez enfermados, e até somente perturbados estes órgãos, o indivíduo já está nos limites de um campo patológico capaz de funestar mais ou menos intensamente à sua existência.

A acidose, não só é a causa direta de numerosas doenças, como também é o fator mais poderoso de recepção e cultura microbiana.
É também, a maior responsável pelas enfermidades específicas, produzidas por determinados micróbios.

Neste caso, a acidose, assim como todo o cortejo de substâncias estranhas, representa o adubo que fomenta e desenvolve os agentes produtores das tristes flogoses crônicas (sífilis, tuberculose, lepra, etc.) e das agudas, produzidas pelos numerosos cocôs e bacilos mais ou menos virulentos.

Um sangue limpo e com suas valiosas defesas, não permite a permanência nem o desenvolvimento de qualquer micróbio.

Ainda a palavra autorizada de alguns médicos:

O alcoolismo e o abuso da carne são os motivos pelos quais o homem não chega a viver até 140 ou 150 anos, como deveria suceder. – Dr. Henrique Roxo.

A freqüência dos casos de apendicite é devida principalmente à alimentação cárnea. – Dr A Gautier.

O reumatismo, a tuberculose, o câncer, a diabetes, a apendicite e outras enfermidades, são, em grande parte, causadas pelo costume de alimentar-se com cadáveres de animais. – Dr. Chittenden.

A carne é, ao contrário do que se pensa geralmente, um alimento medíocre.
Pensamos ser mais acertado abster-se da carne, para não adquirir desde verdes anos, o hábito de uma alimentação tóxica. – Dr. Alberto Seabra.

O caldo de carne não alimenta; não contém nenhum elemento nutritivo; pelo contrário, é perigoso para a saúde. – Dr. Charles Richete.

A carne não é um alimento que possua os princípios essencialmente nutritivos que à luz das descobertas mais recentes em matéria de nutrição foram estabelecidos como sendo indispensáveis à vida.
Os sais minerais, as vitaminas, os fermentos catalíticos e digestivos primordiais são elementos quase ausentes na carne.

A alimentação à base de carne, ao invés de produzir força, produz enfermidade, isto é, fraqueza.
O fato se explica pela razão de que o organismo humano não foi feito e nem está capacitado para assimilar e conservar os excessos de albumina (substância viscosa esbranquiçada que coagula pela ação do calor e que existe na clara do ovo, no soro do sangue e, em geral, nos líquidos dos organismos animais), proveniente dessa alimentação, os quais são prejudiciais à saúde.
Disso resulta que os produtos de desassimilação (transformação de substâncias em outras) da natureza essencialmente venenosa ficam retidos no organismo, passam ao sangue e o intoxicam. Essa intoxicação, ao tornar-se crônica e hereditária, cria os estados mórbidos que hoje têm os nomes de artritismo, reumatismo, diabetes, escrófula, tuberculose e também o câncer, enfermidade do nosso século.

O hábito de comer carne conduz ao alcoolismo pela sede mórbida que produz; ao tabagismo, por produzir excitação nervosa, na qual, por sua vez, conduz ao hábito de tomar café e ao uso de condimentos picantes para disfarçar o gosto, o cheiro e a vista dos restos cadavéricos apresentados à mesa do carnívoro, que, consciente ou inconscientemente, vive enganado com a idéia de que a carne é um verdadeiro alimento. – Dr. C. A. Obedman.

O que muitos ignoram é que a carne, principalmente a assada, grelhada (famoso churrasco), também produz câncer.
O famoso cancerologista italiano, da Organização Mundial de Saúde, Professor Carlo Cirtori, diretor da Divisão de Anatomia Patológica do Instituto Nacional de Tumores de Milão, anunciou em estudos concluídos em setembro de 1966 que as proteínas da carne grelhada se decompõem e suas substâncias graxas se transformam em hidrocarburetos, ativando e provocando as células cancerígenas.
De um quilo de carne assada em um churrasco – informou – obtém-se 6 gramas de benzo-pireno, quantidade essa que corresponde à produzida por 600 cigarros.

Anúncios

Vegetariano sem riscos

Entrar nessa de uma vez pode prejudicar sua saúde. O segredo para abolir a carne do cardápio sem cair em cilada é montar um planejamento alimentar, como você irá acompanhar nesta reportagem


Por Rodrigo Gallo

Para muitas pessoas, ser vegetariano é sinônimo de ter uma vida mais saudável, com uma alimentação equilibrada e menos gordura no organismo. Realmente, é um pensamento correto. Contudo, como toda dieta, essa mudança de hábito alimentar precisa ser acompanhada por um especialista, afinal, o corpo pode não se adaptar às alterações logo de cara.

E entender a razão é simples. Pense: você comeu carne vermelha a vida toda. Sempre gostou de ir a churrascarias e rodízios. Nunca dispensou uma picanha na brasa ou uma maminha cheia de gordura. Então, como espera que seu organismo se acostume com a ausência desse tipo de alimento da noite para o dia?

Em parte, é uma questão psicológica. O corpo, porém, também pode sentir falta de determinados nutrientes presentes nas carnes, que serão descartadas na nova fase. O jeito, então, é fazer um plano alimentar para seguir em frente sem riscos. Vejamos algumas dicas básicas que podem ajudá-lo nessa tarefa.

Nos primeiros dias da nova dieta é permitido o consumo de carne, mas em quantidades menores

Vegetariano sem traumas

Você não é um robô que pode ser programado para qualquer mudança imediatamente. Então, não force demais o seu organismo. Nos primeiros dias da nova dieta, pode-se continuar comendo carne. Apenas reduza a quantidade.

De acordo com o médico Eric Slywitch, do Departamento de Nutrição da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), o ideal é consumir apenas 100 gramas de carne vermelha durante os primeiros dias da mudança. Isso pode ser feito durante uma ou duas semanas – depende de como o organismo vai reagir.

Além disso, é essencial incluir alguns alimentos no cardápio logo de cara: um deles é o azeite. Ele é ótimo para regular o funcionamento do intestino e para reduzir o mau colesterol (LDL). Em médio prazo, também reduz os riscos de acidente vascular cerebral (AVC) e doenças cardíacas. Aumente também a quantidade de vegetais no prato, como beterraba (rica em licopeno, vitaminas do complexo A e B, minerais e cálcio) e alface (possui fibras e pequenos níveis de cálcio e fósforo).

A nutricionista Josefa Marinho, de Recife (PE), explica que é interessante adotar pães e alimentos produzidos com farinha ou tubérculo, por serem fontes de carboidratos, grãos e comidas integrais, que fornecem proteínas.

Comer uma maçã por dia também é uma boa pedida – e isso não vale apenas para o começo da nova dieta, mas sim para toda a vida, pois a fruta ajuda a manter as taxas de colesterol em níveis seguros, melhora a circulação sanguínea e ajuda na digestão.

Fonte: Vida Natural

Alimentação Vegetariana

Irina Maia – Bióloga e Vegetariana

A alimentação vegetariana tem vindo a ganhar cada vez mais adeptos, apesar de continuar a ser minoritária entre nós. Aqui são apresentados argumentos de saúde, ambientais e económicos a favor do vegetarianismo, sendo a autora Bióloga e Vegetariana.

O vegetarianismo não é uma moda recente. Ao longo da história da humanidade houve pequenos grupos e povos inteiros, que por razões religiosas, económicas, culturais ou ambientais, seguiram uma dieta exclusivamente ou predominantemente vegetariana.
Moda recente é o destaque que os produtos de origem animal passaram a ter na nossa alimentação. Basta falarmos com os nossos pais e avós, para rapidamente percebermos que ainda há poucas décadas atrás, a carne e o peixe eram alimentos consumidos excepcionalmente em dias de festa e que o leite nem sequer fazia parte da sua dieta.
Uma vez que eram considerados “alimentos dos ricos”, assim que a melhoria nas condições de vida nos países desenvolvidos facilitou a acesso de mais pessoas a estes produtos, o seu consumo tornou-se generalizado e exagerado. Mas estes alimentos deveriam ter continuado a ser consumidos excepcionalmente, pois o seu consumo regular não é necessário à saúde e pelo contrário é causador de inúmeras doenças.
Perante o cenário actual de uma população obesa e doente, assistimos agora a um esforço das autoridades médicas, de educação da população para que readquira hábitos mais saudáveis de alimentação, com redução dos produtos de origem animal e com predomínio de produtos de origem vegetal.
Muitas pessoas seguem esse conselho até ao fim, tornando-se vegetarianos e deixando pura e simplesmente de comer animais ou produtos derivados de animais.
Apesar da dieta vegetariana ser cada vez mais tema de capa de revista, a maior parte das pessoas ainda encara o vegetarianismo com desconfiança. Consideram esta dieta anti-natural e receiam que ao retirarem a carne do seu menu ficarão sub-nutridos.
Os milhões de vegetarianos que vivem e viveram ao longo da história da humanidade são a prova viva de que é possível viver só de plantas. Mas se dúvidas existiam sobre se essa vida seria saudável, inúmeros estudos científicos recentes demonstraram que não só os vegetarianos não são mais doentes, como em média são mais saudáveis e vivem mais tempo do que aqueles que comem produtos animais.
A American Dietetic Association, publicou um artigo de revisão de todos os conhecimentos actuais sobre dieta vegetariana e concluiu que “dietas vegetarianas bem planeadas são saudáveis e nutricionalmente adequadas, sendo bastante benéficas na prevenção e tratamento de diversas doenças”.
Mas como pode isso ser? Afinal de contas somos omnívoros!
É verdade, somos omnívoros. Mas o que significa isso exactamente?
Os nossos antepassados começaram por ser frugívoros (comiam apenas frutos), depois evoluíram para omnívoros, alargando a sua dieta a insectos e pequenos mamíferos e mais tarde tornaram-se pescadores e caçadores, passando a incluir no seu menu a carne de diversos animais. No entanto, durante a maior parte desse percurso evolutivo, os nossos antepassados basearam a sua dieta em plantas, sendo os produtos de origem animal um complemento da sua alimentação de onde retiravam calorias e proteínas extra.
Há quem atribua o desenvolvimento da nossa inteligência à ingestão de carne, mas foi o aumento progressivo dos cérebros dos nossos antepassados que criou a necessidade de ingestão de mais proteínas e gorduras, que a carne forneceu em abundância.
Milhões de anos depois, o ser humano inventou a agricultura e passou a produzir inúmeras variedades de cereais, leguminosas, oleaginosas, hortícolas e frutos, capazes de suprir as suas necessidades nutricionais e energéticas, de tal forma que hoje em dia, na maior parte do planeta, o ser humano já não precisa de comer carne para viver e ser saudável.
Ao contrário do que comummente se pensa, ser omnívoro não implica que se tenha de comer de tudo para se sobreviver, mas sim que se pode sobreviver com um leque variado de opções alimentares. Um omnívoro consegue viver só de carne ou só de plantas, se apenas tiver disponível uma dessas opções para se alimentar. O facto de termos inventado a agricultura, dá uma nova dimensão ao facto de sermos omnívoros, pois oferece-nos a liberdade de escolha dos alimentos.
E porque é que devemos escolher comer plantas em vez de animais?
Se no passado todos os produtos de origem animal eram produzidos de modo tradicional e extensivo, com aproveitamento de solos e paisagens não-aptas para a agricultura, hoje em dia a grande maioria desses produtos são produzidos industrialmente, com enorme desperdício de recursos naturais e com graves consequências ambientais e sociais.
Além das questões dos direitos e do bem-estar dos animais, que cada vez mais devem ser debatidas e consideradas na forma como produzimos os nossos alimentos, as questões relativas ao impacto ambiental da produção animal devem levar-nos a questionar os nossos hábitos, principalmente se nos consideramos ecologistas e pretendemos reduzir a nossa pegada ecológica no planeta.
“É ecologista? Então porque ainda come carne?” É a questão provocadora que tem gerado acesos debates entre aqueles que se consideram ecologistas.
Há aqueles que, perante os dados que apontam a produção animal como um dos maiores problemas ecológicos dos nossos dias, se tornaram vegetarianos para reduzirem o seu impacto ambiental no planeta e há aqueles que, achando que a ingestão de produtos animais faz parte da nossa ecologia, não pretendem mudar os seus hábitos alimentares, embora concordem que a produção industrial destes produtos é anti-ecológica.
Eis alguns dados perturbantes:
– Nos Estados Unidos, mais de metade de toda a água consumida é gasta na produção animal e outra estimativa aponta para que perto de 85% da água consumida no planeta seja gasta na produção animal. Para se produzir 1kg de batatas são necessários cerca de 50 litros de água e para se produzir 1 kg de trigo são necessários cerca de 42 litros, no entanto para se produzir 1kg de carne de vaca são necessários 43.000 litros de água!
– Os dejectos dos animais, que antes eram naturalmente integrados novamente nos solos, fertilizando-os, são agora produzidos em tamanha quantidade, que se tornaram um dos maiores problemas de poluição no mundo, contaminando de forma severa os solos e as águas.
– A criação de gado e a produção agrícola intensiva para alimentação desse gado, estão entre as principais causas de desertificação e de desflorestação do planeta.
Dois terços dos terrenos agrícolas são dedicados a pastagens e culturas para alimentar o gado. Estima-se que por cada quilo de carne que é produzido se percam 77 quilos de solo fértil e que 85% da erosão dos solos no mundo está associada a culturas destinadas à alimentação do gado e à produção de pastagens.
– Na actualidade, existe suficiente solo fértil, energia e água para alimentar mais do dobro da população humana existente. No entanto, entre as questões políticas e económicas que impedem milhões de pessoas de aceder aos alimentos produzidos, está também o facto de que metade dos cereais produzidos no mundo destina-se a alimentar animais para consumo em países desenvolvidos, em vez de servir de alimento aos seres humanos que passam fome em países sub-desenvolvidos.
– São necessários cerca de 7 kg de cereais e soja, para produzir 1 kg de carne nos Estados Unidos. Bastaria que os norte-americanos reduzissem o seu consumo de carne em 10%, para que mais 100.000.000 pessoas pudessem ser alimentadas com os cereais assim poupados. Foi demonstrado que se toda a população mundial fosse vegetariana, tudo aquilo que se dispende na produção animal poderia alimentar 10 biliões de pessoas, ou seja, mais do que a população humana que se prevê existir em 2050.
Devido à grande diversidade de ambientes que o ser humano ocupa, nem sempre este dispõe de terrenos férteis para agricultura ou de diversidade alimentar suficiente para poder alimentar-se exclusivamente de plantas e é preciso tomar isso em consideração, se se não quiser cair em fundamentalismos. Os animais herbívoros são capazes de transformar ervas, sem valor alimentar para o ser humano, em proteína e gordura de alto valor nutritivo e calórico e a sua importância na alimentação das pessoas que habitam regiões menos férteis e inaptas para a agricultura, não deve ser ignorada. No entanto, a produção industrial de animais para consumo, que nada tem que ver com o aproveitamento de recursos e muito pelo contrário é um desperdício de recursos, não deve de forma alguma ser colocada ao mesmo nível da produção extensiva e ao ar livre de produtos de origem animal.
Poucas pessoas se podem gabar de apenas consumirem produtos animais de origem biológica e extensiva. A maioria das pessoas, principalmente as que vivem em ambiente urbano nos países mais desenvolvidos, mesmo que ocasionalmente optem por comprar estes produtos, não deixam de consumir maioritariamente os de origem industrial, apoiando assim activamente este sistema de produção animal, com todas as consequências que ele acarreta para os animais, para o ambiente e para a humanidade. Estas pessoas, que são milhões em todo o planeta, deveriam interrogar-se mais sobre as opções que tomam na hora de encher o prato e pensar em como o gesto simples de trocar o bife por feijão ou lentilhas pode ajudar a salvar o mundo.

Bibliografia:
“So You’re an Environmentalist; Why Are You Still Eating Meat?”, Jim Motavalli, E Magazine, January 3, 2002 (www.alternet.org/story/12162)
“Meat-eating environmentalist? How can that be?”, Lisa Rogers, Toronto Vegetarian Association (www.veg.ca/lifelines/marapr/meat)
“Why environmentalists aren’t vegetarian”, David Pye, VSUK Trustee, 35th World Vegetarian Congress (www.ivu.org/congress/2002/texts/david2.hmtl)
“A paleontological perspective on the evolution of human diet”, Peter Ungar and Mark Teaford (www.cast.uark.edu/local/icaes/conferences/wburg/posters/pungar/satalk)
“Fruits of the Past”, Colin Spencer (www.viva.org.uk/guides/fruitsofthepast)
“Our Food Our World – The Realities of an Animal-Based Diet”, EarthSave Foundation, Santa Cruz, 1992
“Diet for a Small Planet”, Frances Moore, Lappe Ballantine Books, 20th Annv Edition, 1985
“The Food Revolution: How Your Diet Can Help Save Your Life and Our World”, John Robbins, Conari Press, 2001
“Diet for a New America: How Your Food Choices Affect Your Health, Happiness and the Future of Life on Earth”, John Robbins, H.J. Kramer, Reprint edition, 1998

“Vegetarianos e Veganos”



Pense nas suas aulas de geometria. Lembra-se do filósofo grego Pitágoras? Seu teorema sobre o triângulo recto? “A soma do quadrado dos catetos é igual ao quadrado da hipotenusa”. Nascido por volta de 580 aC, perpetuou-se não só por seu gênio matemático como também por ser considerado “pai do vegetarianismo”. Por quase 2.500 anos, europeus e americanos chamavam pitagóricos àqueles que seguiam o vegetarianismo, pois o termo não era usado até a fundação da Sociedade Vegetariana Britânica, em 1847.

O argumento de Pitágoras em favor da dieta sem carne tinha três “pontas” (como um triângulo):
– veneração religiosa,
– saúde física e
– responsabilidade ecológica.
Essas razões continuam a ser citadas até hoje. Enquanto sempre houve vegetarianos na população mundial, muitos escolheram esse caminho mais por necessidade do que por preferência. O mundo medieval considerava vegetais e cereais como comida para animais. A carne era símbolo de status de classe alta: quanto mais alguém comia carne, mais elevada era a sua posição na sociedade – de forma que somente a pobreza compelia as pessoas à substituição de carnes por vegetais.


Vegetarianismo é com frequência ligado a religião, e a força dessa relação parece se vincular diretamente à longevidade de cada credo religioso. O relativamente jovem Islamismo (1.300 anos), por exemplo, não tem cultura vegetariana forte.
Os budistas, por outro lado, seguindo os princípios de não-violência, têm praticado vegetarianismo por 2.500 anos. O Hinduísmo possui princípios vegetarianos que datam de 5.000 anos. Judeus citam uma passagem bíblica como prescrição da dieta original:

“E Deus disse, Eu vos dei cada semente de erva, que estão por toda a terra, cada árvore, nas quais estão os frutos de semente; para vocês elas servirão de comer” (Gênesis 1:29).

Evitar o consumo de carne e jamais comer porco ou mariscos era uma provação (símbolo de pesar e tristeza), voltada também para a restrição dos desejos e prazeres do corpo. O Cristianismo primitivo, com suas raízes na tradição judaica, viram o vegetarianismo de maneira similar – um jejum modificado para purificar o corpo: evitar a carne é uma forma de reforçar a disciplina e a força de vontade necessárias para resistir às tentações.
Isso tornou as restrições dietéticas muito comuns no comportamento cristão da época. E essa crença foi passada adiante, ao longo dos anos, de uma forma ou de outra – por exemplo, a proibição de carne (exceto peixe) da Igreja Católica Romana nas sextas durante a Quaresma.

Na América do Norte o vegetarianismo foi quase um acidente decorrido da preocupação com a Guerra Civil. Em 1863, a crescente Igreja Adventista do Sétimo Dia passou a defender as idéias vegetarianas, abriu um instituto de saúde, mas cedo descobriu que sua sobrevivência dependia de uma equipe médica treinada. Com o apoio da igreja, o jovem John Harvey Kellogg, um convertido ao adventismo, se matriculou e completou o curso de medicina. Em 1876, Kellogg se tornou diretor desse instituto, chamando-o de Battle Creek Sanitarium, e sob sua direção se tornou uma clinica de fama mundial e um centro de fabricação de cereais para café da manhã (Kellog´s). Nutricionistas dos anos vinte e trinta do século 20 não tinham muita disposição tanto para condenar quanto para promover o vegetarianismo, sentindo que faltavam necessárias evidências para justificar ambas as posições. Vegetarianos eram mais lamentados do que valorizados, e tanto a comunidade médica como o público geral expressavam preocupação com as conseqüências da dieta. A explosão das pesquisas científicas depois da Segunda Guerra Mundial atenuaram bastante o estigma da dieta sem carne.
Compilação do artigo “Vibrant Life”(1992), de Glen Blix, Dr. Phd,
professor da Universidade de Loma Linda, Califórnia.





AFINAL, O QUE SÃO VEGANS?


O termo vegan (ou vegano) surgiu para diferenciar os vegetarianos que, além de não comerem carne, excluem de sua dieta qualquer outro produto de origem animal: leite e seus derivados, ovos, gelatina, mel. Os vegans também são contra o uso e a exploração de animais para outros fins, que incluem vestuário (artigos de couro, casacos de pele), entretenimento (circos e rodeios, por exemplo) e experimentação (testes em laboratórios ou utilização de substâncias de origem animal em cosméticos e medicamentos). Ou seja: vegan é o vegetariano levado às últimas conseqUências(?).


Muita gente pergunta:

Se os vegans não comem carne, ovos ou leite, então eles comem o quê?”.
Muito mais do que se possa imaginar!
A variedade de alimentos é enorme, principalmente no Brasil, um dos maiores produtores de soja do mundo e um país com uma enorme variedade de grãos, verduras, legumes e frutas.


Dá para substituir todos os nutrientes encontrados nos produtos de origem animal se você seguir uma dieta vegan ou vegetariana equilibrada. A maioria dos grandes supermercados vende leite e ‘carne’ de soja, além de alguns produtos mais elaborados, como leite de arroz, nuggets, hambúrguer, almôndegas, kibe, salsicha, carne de glúten, maionese… tudo sem carne, leite ou ovos.
Tendo um pouquinho de paciência para ler os rótulos, você vai descobrir que o que não falta é bolacha, chocolate, cereal, panetone, doce, geléia e outros produtos que não utilizam substância alguma de origem animal. E saiba que pão francês também é vegan. Também dá para encontrar muita coisa em empórios de produtos orgânicos e naturais. Restaurantes de comidas típicas (árabes, indianos, chineses, mexicanos, japoneses, tailandeses, italianos) oferecem vários pratos que se encaixam perfeitamente no cardápio vegan ou vegetariano.


Para que não haja nenhum tipo de deficiência nutricional, uma dieta vegetariana/vegan (como qualquer outra dieta) deve conter uma grande diversidade de alimentos vegetais, ressaltando alimentos crus ou preparados de forma que não percam os seus nutrientes (no vapor, por exemplo) e alimentos integrais e não industrializados. Para aqueles vegetarianos que consomem ovo e/ou leite e seus derivados (ovolacto-, ovo- e lactovegetarianos), nenhuma suplementação nutricional é recomendada. Mas para vegans, deficiências de vitamina B12, cálcio e vitamina D podem ocorrer.
Para estas pessoas uma complementação de vitamina B12 e cálcio é recomendada, seja através do uso de alimentos enriquecidos com estes nutrientes como pelo uso de suplementos nutricionais. E nos casos de baixa exposição solar está indicada a suplementação de vitamina D. Em relação ao ferro, trabalhos recentes têm demonstrado que vegetarianos apresentam incidência de anemia por deficiência de ferro igual a onívoros. Assim, a suplementação de ferro deve restringir-se às situações de anemia comprovada ou quando existirem fatores de risco para carência de ferro como gravidez ou hemorragias.


Hidratando o Atleta Corredor Vegetariano

Como sabemos uma dieta Vegetariana é adequada para a prática esportiva!
Veja algumas dicas de como se hidratar durante sua atividade física ou corrida!

Nosso corpo é composto essencialmente de água, de 40 a 60%, por isso é tão importante e necessária para uma vida saudável. A água participa no transporte de nutrientes, na eliminação de subprodutos oriundos do metabolismo energético e na regulaçao da temperatura, através do suor.

O desempenho e a saúde do atleta são comprometidos quando ele se encontra desidratado, pois o estresse do exercício é acentuado, as respostas fisiológicas prejudicadas e ocorre aumento na temperatura corporal.

Os sintomas da desidratação leve a moderada são: fadiga, perda de apetite e sede, pele vermelha, intolerância ao calor, tontura, oligúria e aumento da concentração urinária. A desidratação grave se manifesta com: dificuldade para engolir, perda de equilíbrio, a pele se apresenta seca e murcha, olhos afundados e visão fosca, disúria, pele dormente, delírio e espasmos musculares.

Devemos cuidar da hidratação antes, durante e após o exercício.

ANTES – Para garantir que se inicie a corrida bem hidratado, recomenda-se o consumo de 250 a 500ml (5 a 7ml/kg) de água ou outra bebida esportiva com pelo menos 3 horas antes da atividade, tempo suficiente para hidratação e eliminação do excesso pela urina.

DURANTE – Recomenda-se que já nos primeiros 15 minutos se inicie a ingestão de líquido e que se continue bebendo a cada intervalo de 15 ou 20 minutos. A quantidade a ser ingerida varia de acordo com a sudorese (transpiração), variando de 500 a 2000 ml/hora. Na prática é fácil, a cada 15 minutos você pode encher a boca com água 3 vezes.

Se a corrida durar mais que 1 hora, ou se for muito intensa, mesmo com tempo inferior a 1 hora, deve-se repor carboidrato (30 a 60g) e sódio (0,5 a 0,7g/litro) – pode ser uma bebida isotônica, que contem sais minerais e carboidratos (6g/100ml). Dar preferência para bebidas na temperatura de 15 a 22°C.

APÓS – Como normalmente não se hidrata de forma adequada durante a atividade, deve-se manter a hidratação, com o objetivo de compensar as perdas adicionais de água pela urina e transpiração. Para cada 0,5kg perdido durante a atividade física recomenda-se a ingestão de 450 a 675ml de liquido.

Lembro também que a sede é um sinal do corpo quando a desidratação já existe, portanto não espere a sede chegar para se hidratar.

Um consumo adequado de líquido é essencial para o seu melhor desempenho na corrida!

via Nutrição Vegetariana

World Peace Diet March 12 Online Compassion and Health Campaign

Dieta Vegetariana

via: ***Nutrição Vegetariana***.