Posts Tagged ‘maus-tratos’

Anima nobili x Anima vili: nós, os senhores do universo e os outros animais, nossos escravos…

por Paula Brügger

Diversos autores1 têm demonstrado, de forma contundente, como são problemáticos os dados provenientes da vivissecção – a realização de operações ou estudos em animais vivos para a observação de determinados fenômenos. Sob o ponto de vista ético a vivissecção é ainda mais insustentável, embora seus praticantes insistam em defendê-la se valendo de argumentos que, em maior ou menor grau, são improcedentes2. O mais comum e tosco deles – repetido ad nauseam – geralmente se expressa na famosa pergunta: – se não testarmos em animais testaremos em pessoas, ou em criancinhas? (como se não existissem alternativas ou métodos substitutivos e como se os seres humanos não fizessem parte de etapa alguma da pesquisa, entre outras considerações). Continuar a ler

Abolicionismo Animal

Texto sobre Abolicionismo Animal feito para a apostila do 1° Educaveg – reunião de veganos, vegetarianos e onívoros de Assis e região, realizada pelo coletivo V.I.D.A. (Veículo de Intervenção pelo Direito Animal) em conjunto com a Fábrica da Leitura

Assim como o racismo afirma a superioridade de um grupo racial sobre outro, e o sexismo a superioridade de um sexo perante outro, o termo ESPECISMO significa julgarmos uma espécie superior a outra. Na escravidão animal, o especismo qualifica e justifica a exploração de animais não-humanos por animais humanos. Assim como os brancos tentaram impor-se sobre os negros (racismo), ou os homens sobre as mulheres (sexismo), hoje nós, humanos, tentamos nos impor sobre outras espécies de animais não-humanas. Tornando-as simples objetos e mercadorias, sem valor inerente, ou seja, o valor de suas vidas está diretamente relacionado ao uso que nós fazemos dela. Deixamos, portanto, de considerar o interesse desses animais em sua própria vida e liberdade. Continuar a ler

Vanguarda Abolicionista faz protesto no 1º de Maio

Fotos: Leonardo Rocha e Rafael Santini

O grupo Vanguarda Abolicionista se fez presente junto às atividades promovidas pela CUT por ocasião do 1º de Maio, Dia do Trabalhador, neste sábado. No espelho d’água da Redenção, em Porto Alegre, foi montado palco para shows de hip-hop e de música gaúcha, com bandeiraço da CUT, sindicatos e partidos da esquerda, e gravação do programa de TV ‘Coisas do Sul’. Desde as 8h, houve farta distribuição de material político para o público presente, e a Vanguarda Abolicionista marcou presença com uma faixa escrito ‘Libertação Animal’ e dois banners coloridos, contra o consumo de carne e contra o uso de couro.

Os frequentadores do parque, muitos com seus animais de estimação, se mostraram simpáticos ao discurso abolicionista, apesar do estranhamento das imagens e mensagens, à primeira vista. Entre os ativistas, a nutnicionista Claudia Lulkin cativava os passantes com uma conversa provocativa mas envolvente. Uma professora aposentada parou para conversar, e contou que certa vez, em Bagé, esteve em uma palestra sobre animais, e na hora das perguntas pegou o microfone para reclamar que a palestrante usava casaco de Chinchilla. “Depois até fui advertida, por ter causado constrangimento. Mas quantos animais foram mortos só para ela usar um casaco? E depois dá palestra falando de animais”, aponta.

Populares também se aproximaram para pedir orientação em casos envolvendo animais. “Abandonaram um pitbull em frente ao Colégio Luciana de Abreu, e agora ele circula pela Jerônimo de Ornelas, com moradores de rua. Liguei para a Prefeitura e para outros órgãos, e ninguém quis se responsabilizar”, reclamou uma passante. Os ativistas tomaram nota das informações e explicaram que o resgate poderia ser feito por voluntários da proteção animal, que agem com seus próprios recursos.

O deputado estadual Raul Carrion, do PC do B, passou para cumprimentar os ativistas, e recebeu de presente um DVD do documentário ‘Não Matarás’, produzido pelo Instituto Nina Rosa. O ministro da Justiça, Tarso Genro, estava a poucos metros do local, mas não chegou a travar contato com o grupo, que já aguardava com um kit de materiais para entrega.

A mobilização se encerrou perto das 14h, com saldo positivo pelos contatos realizados e o volume de panfletos distribuído, inclusive na tradicional Feira Orgânica, que acontecia junto ao Parque da Redenção. O sábado frio, mas com Sol forte, foi dedicado aos trabalhadores humanos e, pela ação da VAL, aos não-humanos.

√єgєταяīαηīىмσ э Éтicα™®.

Matéria em jornal brasileiro faz apologia à crueldade contra animais

Foi com muito espanto que lemos uma matéria sobre animais em circos, publicada domingo (21) no jornal Folha de S. Paulo, que nada falou sobre a realidade,  apenas mostrou uma visão distorcida, preconceituosa e falaciosa sobre a condição exploratória dos animais de picadeiro.

Em primeiro lugar, é importante relembrar que não é descabida a proibição em sete estados e em mais de 50 municípios brasileiros da apresentação de animais em circo. Essas leis foram promulgadas, inclusive, para atender ao clamor da sociedade, que não concorda com o abuso de animais em espetáculos circenses. Uma pesquisa, a que tivemos acesso, realizada a pedido do Ibama e jamais divulgada, comprova que mais de 90% da população do Brasil é contra animais em circos. Isto já demonstra que o público tem ideia de qual é o preço da existência de animais domésticos e selvagens embaixo da lona.
Para quem não sabe, a rotina diária desses animais inclui: treinamentos contínuos e forçosos por meio de espancamentos, mutilações e aplicação de choques elétricos, privação de alimento, confinamento com correntes e em jaulas minúsculas, entre outras crueldades escondidas sob as luzes e cores dos espetáculos.
Os elefantes, que na natureza caminham cerca de 40 km por dia, nos circos vivem permanentemente acorrentados. Foto: sem crédito

BOICOTE o 8º Rodeio Nacional Cidade de Porto Alegre

4º Rodeio Internacional
8º Rodeio Nacional Cidade de Porto Alegre
6ª Fepoagro – Feira Agropecuária da Produção
Primária em Porto Alegre
1º Fórum Latino Americano de Tradição e Folclore

“Em Parque aberto ao público, os eventos trazem para a Capital uma das mais importantes representações da cultura gaúcha, que é o rodeio, com todas atividades esportivas, musicais e folclóricas que o acompanham. Trazem ainda uma mostra das atividades da área econômica rural de Porto Alegre, bem como do desenvolvimento do agronegócio gaúcho, pouco conhecido pela população urbana.

Destaque especial para Tiro de Laço, Gineteadas, Modalidades Artísticas, Shows e Bailes, que se realizarão dentro do Rodeio. O Rio Grande do Sul é um grande produtor de animais para esta modalidade esportiva e tem atletas de renome internacional. Estas provas atraem um público diferenciado ao Parque e possibilitam ao grande público o acesso às provas.

DATA
De 25 à 29 de março de 2009.

O LOCAL
Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, no centro de Porto Alegre, também conhecido como Parque da Harmonia, possui excelente estrutura, cancha para provas campeiras, área para acampamento, Centro Cultural com acomodação para 5 mil pessoas que pode ser usado para shows e palestras, galpões para a exposição de animais ou montagem dos estandes, redes elétrica, hidráulica e telefônica”.

via Carne Nunca Mais.

Ex-treinador de Flipper fala sobre o caso da baleia do Sea World

O especialista em golfinhos Ric O’Barry, famoso por ter treinado Flipper e se arrependido, deu seu parecer sobre o caso da baleia que atacou e matou a treinadora no Sea World.

Foto: Junji Kurokawa / Associated Press
Um dos colunistas do Los Angeles Times, Steve Lopez, publicou um artigo em que questiona sua própria atitude de levar a filha ao Sea World. “Será que quero mesmo que minha filha pense que os animais selvagens existem para nosso entretenimento?” ponderou.
Foi quando ele decidiu consultar dois especialistas, o biólogo porta-voz do Sea Woirld Dave Koontz e Ric O’Barry.
Enquanto Koontz afirmou que os visitantes do parque experimentam “uma ótima apreciação desses animais e do ambiente em que vivem nos oceanos”, O’Barry discordou, dizendo que essa é uma “péssima educação.”
“Não existe conexão entre conservação e truques estúpidos impostos aos golfinhos,” disse O’Barry, que foi também o primeiro especialista a treinar baleias orcas no mundo.
O’Barry ainda afirmou que a falta de privacidade para mamíferos grandes como orcas e golfinhos no Sea World pode levar a um comportamento agressivo e violento, às vezes contra humanos e às vezes contra eles mesmos.
O’Barry foi o responsável por capturar e treinar golfinhos para o filme Flipper, quando mais jovem. Ele acredita que um dos animais que treinou cometeu suicídio ao recusar-se a subir para respirar, após uma longa jornada de exploração. Hoje em dia ele é defensor dos golfinhos e crítico árduo do adestramento.
Ele também participou do premiado documentário “The Cove”, que retrata a cruel matança de golfinhos em Taiji, no Japão.
Com informações de Los Angeles Times

Matt Damon diz: Fechem o SeaWorld

Continuar a ler

Jandaia do Sul-PR: Furto de carne surpreende pela crueldade

Ladrões levam partes de animal sem abatê-lo



Um furto de gado em uma propriedade rural em Jandaia do Sul chamou a atenção pela crueldade. Partes do animal como paletas e cupim foram retirados sem que o animal fosse abatido, ele só morreu horas depois do furto, de dor, agonizando.

Vídeo: Sargento Jailton fala na reportagem de André Amaral.


(aviso: cenas fortes)
.
Fonte

via √єgєταяīαηīىмσ э Éтicα™®